Animação


GRANDE CAGAÇO

Faz força , faz força e afinal é simples… he he he

AERÓDROMO PERFILA-SE COMO PLATAFORMA DE APOIO A TODA A REGIÃO


OBRAS EM CURSO NA SERRA DO BIDUEIRO

É um projecto que para muitos é «uma loucura», mas para o presidente da Câmara Municipal de Poiares «é um sonho concretizável», «que vai transformar a face da nossa terra e do próprio distrito». Falámos do aeródromo do Bidueiro que dentro de quatro anos deverá estar operacional.

Jaime Soares, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares, foi o homem do sonho. «Não se consegue só num mandato, mas espero vir a acabá-lo», afirma. Em causa está um projecto que o próprio autarca considera gigantesco, mas que é passível de concretização.

A prova está nos trabalhos que decorrem no terreno, que começaram com a desmatação do «plateau» da serra e que já se concentram na construção da pista. O local é considerado pelo autarca como o «ideal» para «um aeródromo com todas as condições», cujas potencialidades terão «duas fases distintas de aproveitamento».

A primeira prende-se com o combate aos fogos florestais. Um projecto caro a Jaime Soares, comandante dos Bombeiros de Vila Nova de Poiares e também presidente da Federação Distrital de Coimbra dos Bombeiros. «Na região só temos a pista de Seia», lembra Soares, apontando a centralidade territorial da freguesia das Lavegadas e a proximidade/vizinhança com a barragem da Aguieira, fundamental para um abastecimento célere dos aviões anfíbios e mistos usados no combate aos fogos florestais. «Estamos a dois minutos da Aguieira», diz, sublinhando o quanto é importante a rapidez de intervenção dos meios aéreos em situação de fogo na floresta, seja na fase inicial de deflagração, seja numa altura em que as chamas atingem proporções mais relevantes e a força dos meios aéreos é fundamental para debelar o fogo.

Conjugada com esta vertente de prevenção e protecção, considerada estratégica num território densamente florestado, como acontece com todos os municípios vizinhos de Vila Nova de Poiares, existe uma segunda via relativamente à qual Jaime Soares entende que o campo de aviação do Bidueiro pode assumir uma importância decisiva.

VOOS CHARTER

Trata-se do aproveitamento da infra-estrutura a criar para receber voos charter e imprimir uma dinâmica nova e diferente em termos de rapidez de acessos, que hoje em dia não existe, afirmando-se como uma terceira via entre os aeroportos do Porto e de Lisboa. Uma pista que possa atingir cerca de 2.500 metros permite a aterragem de todo o tipo de aviões, com 100, 200 passageiros». Mas tendo «em conta que o país é pequeno», o afluxo previsto por Jaime Soares relativamente ao Bidueiro centra-se em voos charter com capacidade para entre 40 e 80 passageiros. «Uma situação agradável em termos de excursões, de equipas que se deslocam, para a região, para participarem em congressos ou fazerem turismo».

«Aquela pista, depois de devidamente preparada e infraestruturada, pode constituir uma inquestionável plataforma de apoio para toda a região», defende o autarca de Poiares apontando as potencialidades, em termos de turismo, gastronomia, e artesanato que oferecem o Buçaco, Luso, Gois, Arganil, Lousã, Penacova e fundamentalmente Coimbra, «a grande atracção» em termos turísticos, que «não tem uma infra-estrutura desta natureza». «Poiares pode vir a ser, para o distrito e para a cidade de Coimbra, uma importante plataforma de apoio», localizada a escassos 28 quilómetros de distância, ou como prefere sublinhar o presidente da autarquia, a um «quarto de hora, se porventura resolvemos o problema da Estrada da Beira». Se em si a obraé «uma loucura», mas saudável e importante para a região, os custos de toda a empreitada, envolvendo pista, torre de controlo e estruturas adjacentes que importa construir, poderão ser consideradosfaraónicos. «A custos de uma administração directa, mais barata, poderá ficar, no mínimo num milhão de contos», de acordo com as contas de Jaime Soares.

Quanto ao “timing” de execução, a obra está em curso e «estou convencido que em quatro anos é possível concretizá-la e torná-la operacional», afirma o autarca de Poiares. Actualmente as obras de terraplanagem contam com o apoio da Engenharia Militar de Espinho e a sua deslocação para o Líbano poderá “adiar” o terminus da construção da pista, que se previa estar concluída dentro de um ano. Sem os militares daquele Regimento, «temos de esperar e ir fazendo a obra, unicamente com os recursos da câmara», adianta Soares.

07-01-21_15-57.jpg



INGLESES EM ALVEITE


Há uns ingleses que vivem há cerca de 3 anos na nossa aldeia, tenho mantido conversa com eles quando há tempo disponível, conhecem bem a impontualidade portuguesa. «Agora, diz estar habituada aos pequenos atrasos… Já conhece o “quarto de hora português”…» Quinze minutos é o atraso normal a uma reunião de trabalho. Mas se o encontro for com amigos, pode ser de uma hora! Diz-lhe a experiência.

Quando mudou para Portugal, nomeadamente logo na primeira semana para Alveite foi muito confortável. Sente-se bem a andar nas ruas, comer, fazer as coisas simples. Diz que aqui na aldeia estão interessados em conversar, fazem perguntas sobre Inglaterra, querem saber se gosto da comida, ficam contentes quando digo que gosto muito de Alveite.» As pessoas são simpáticas: essa é a primeira impressão. A simpatia é um traço dominante.

CASA de Pauline Bluett e Clivecasa-de-pauline-e-clive.jpg

Também parte da sua família mais tarde se mudou de bagagens para a nossa Aldeia, que dizem ser muito bonita.

Casa de Tracey Reed e Darren Bellcasa-de-tracey-darren.jpg

Pensamento do dia.


Marido é igual a menstruação: quando chega, incomoda; quando atrasa, preocupa”.

VILA NOVA DE POIARES


ABSOLVIÇÃO DE JAIME SOARES

Depois do Menistério Público o ter pedido em julgamento, o Tribunal de Penacova absolveu ontem o Presidente da Câmara de Poiares de todos os crimes de que era acusado. O acórdão, que o presidente do colectivo de juízes se dispensou de ler, não dá como provados factos que revelem da acusação. No julgamento, as testemunhas arroladas pela defesa(os trabalhadores da Câmara), apontados como utilizados em horário de serviço, negaram todos os factos, admitindo que desenvolveram tarefas em férias ou fora do horário a título de biscates e como reconhecimento a Soares. Por isso o colectivo de juízes concluiu pela falta de revelância legal dos factos demonstrados, fortemente indiciada na fase anterior à acusação.

INCÊNDIOS FLORESTAIS


O QUE SÃO ?

Os incêndios florestais são das catástrofes naturais mais graves em Portugal, não só pela elevada frequência com que ocorrem e extensão que alcançam, como pelos efeitos destrutivos que causam. Para além dos prejuízos económicos e ambientais, podem constituir uma fonte de perigo para as populações e bens. Os incêndios florestais são considerados catástrofes naturais, mais pelo facto de se desenvolverem na Natureza e por a sua possibilidade de ocorrência e características de propagação dependerem fortemente de factores naturais, do que por serem causados por fenómenos naturais. A intervenção humana pode desempenhar um papel decisivo na sua origem e na limitação do seu desenvolvimento. A importância da acção humana nestes fenómenos distingue os incêndios florestais das restantes catástrofes naturais. A propagação de um incêndio depende das condições meteorológicas (direcção e intensidade do vento, humidade relativa do ar, temperatura), do grau de secura e do tipo do coberto vegetal, orografia do terreno, acessibilidades ao local do incêndio, prazos de intervenção (tempo entre o alerta e a primeira intervenção no ataque ao fogo), etc. Um incêndio pode propagar-se pela superfície do terreno, pelas copas das árvores e através da manta morta. Os incêndios de grandes proporções são normalmente avistados a vários quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos.

→ Causas : As causas dos incêndios florestais são das mais variadas. Têm, na sua grande maioria, origem humana, quer por negligência e acidente (queimadas, queima de lixos, lançamento de foguetes, cigarros mal apagados, linhas eléctricas), quer por intenção. Os incêndios de causas naturais correspondem a uma pequena percentagem do número total de ocorrências.

 

→ Consequências : Para além da destruição da floresta os incêndios podem ser responsáveis por vários danos, como por exemplo : a morte e ferimentos nas pessoas e nos animais (queimaduras, inalação de partículas e gases) ; destruição de bens (casas, armazéns, postes de electricidade e comunicações, etc.) ; corte de vias de comunicação ; alterações, por vezes de forma irreversível, do equilíbrio do meio natural ; proliferação e disseminação de pragas e doenças, quando o material ardido não é tratado convenientemente ; etc.

→ Os Incêndios Florestais em Portugal Continental : A distribuição temporal dos incêndios florestais em Portugal Continental é marcadamente sazonal, verificando-se o maior número de ocorrências e de área ardida nos meses de Julho, Agosto e Setembro.

→ Curiosidades :
– Sabia que mais do que quatro incêndios em cinco têm causas humanas ?
– Sabia que os comportamentos de negligência tais como fumar em florestas e acender fogueiras, são responsáveis pela maior parte dos incêndios florestais ?
– Sabia que 1991 foi um ano recorde em termos de área ardida em Portugal Continental : cerca de 116 000 ha. Registaram-se, em média, cerca de 230 fogos por dia e um total de 22 000 fogos ?

O ministro da Administração Interna, António Costa, afirmou dia 1 de Maio em Pombal que em 2007 existem mais riscos de incêndios florestais do que no ano passado, apelando ao reforço da fiscalização e do trabalho da protecção civil.

PORTUGAL SEM FOGOS DEPENDE DE TODOS

O DIA MAIS ESPECIAL DE TODAS AS MÃES


O DIA DA MÃE

Amanhã é dia da mãe! como talvez saibas, o Dia da Mãe foi oficialmente criado pela norte-americana Anna Jarvis, que perdeu a sua mãe em 1904. Mas a História deste dia começou muito antes, há mais de 2000 anos!

O Dia da Mãe

é um tempo de amor,

de família e de esperança.

É o momento de agradecer a Deus

pelo milagre da vida.

É a melhor ocasião

para dizermos à nossa mãe

o quanto ela é especial.

diadamae_2006.jpg