Lógica Homem e Mulher


 

 

Homem Inteligente + Mulher Inteligente = Romance
Homem Inteligente + Mulher Burra = Caso
Homem Burro + Mulher Inteligente = Filho
Homem Burro = Mulher Burra = Casamento

 

PHOTOS


[rockyou id=88965836&w=426&h=320]

ENDURO


Mundial – ISDE de 2009 são na Figueira da Foz

Quem não se lembra que em 1999, o Internacional Six Days Enduro foi aqui nas estradas do distrito de Coimbra.

Desenhado dentro de um triângulo cujos vértices foram a Lousã, Góis, e Vila Nova de Poiares, (S.Miguel e Alveite), o percurso da 74º edição da prova foi, na altura, apresentado, contando ainda com a presença de alguns dos melhores pilotos nacionais de enduro, como Paulo Marques, Bianchi Prata, João Marques, e Hélder Rodrigues.

Os primeiro e segundo dias de competição constaram de 2 voltas a um percurso de 125 e 130 quilómetros, distância comum aos restantes dias de prova. Com 4 especiais por volta(duas MX e duas cross-country), foram troços essencialmente de montanha. Nos 3º e 4º dias, os pilotos andaram por vales e com travessias de cursos de água ( vale da Serra da Fraga – entre S.Miguel e Alveite Grande). O encerramento aconteceu ao 6º dia em Coimbra, depois de o dia anterior ter sido dividido em 3 secções: a 1ª no areal do vale da Lousã, a 2ª entre Poiares(Fraga) e Góis, e a 3ª entre Góis e a Lousã.
A Figueira da Foz foi a cidade escolhida para albergar a edição de 2009 dos International Six Days Enduro (ISDE), prova que constitui o Campeonato do Mundo por países naquela modalidade.

Dois anos após ter sido aceite a candidatura de Portugal para acolher os ISDE 2009, faltava designar a sede desta já conceituada competição, disputada por selecções nacionais. A escolha foi entretanto feita pela Federação Nacional de Motociclismo (FNM) e aprovada em Assembleia-Geral da Federação Internacional de Motociclismo.
Assim, a edição 2009 dos Six Days Enduro vai ter lugar na Figueira da Foz, cidade com grandes pergaminhos em matéria de enduro. Além de inúmeras jornadas pontuáveis para campeonatos nacionais, realizadas desde 1980, o moto clube local é mesmo o organizador mais antigo que ainda permanece em actividade – na Figueira disputaram-se também três provas válidas para o campeonato do mundo individual.
Quanto ao processo de selecção, no último ano a FNM endereçou convite a oito municípios, no sentido de manifestarem o seu grau de disponibilidade para a recepção dos ISDE. Após terem sido ponderadas as respostas e condições oferecidas por cada município, a escolha federativa recaiu na Figueira da Foz.
Esta será a segunda vez que Portugal recebe os Six Days Enduro, precisamente 10 anos depois da estreia lusitana nessa matéria. A prestigiada competição irá disputar-se em Setembro de 2009, constituindo a 84.ª edição da série iniciada em 1913 e só interrompida durante as duas guerras mundiais.

 

 

 

 

 

JAIME SOARES CRITICA VICTOR BAPTISTA


 

Como pode o líder distrital do PS demitir-se de defender Coimbra?

«Por que razão é que Coimbra tem que ser ‘sacrificada’?

Coimbra tem que ser cobaia de quê e Porquê?»

Quem se interroga é Jaime Soares, presidente da Comissão Política Distrital do PSD, em que afirma que não compreende aqueles que tentam justificar a saída de Coimbra de serviços desconcentrados do estado. É mesmo para pensar, houve um artigo de opinião que foi publicado algum tempo antes em que Victor Baptista critica: «aqueles que afirmam que Sócrates não gosta de Coimbra» e desculpabilizar «a saída de duas direcções regionais com a criação de outras duas».(Dir.Reg. da ASAE e a Dir.Reg. A.R.H. do Centro). Para Jaime Soares, «a incoerência do líder distrital do PS é tanta que ao mesmo tempo que desculpabiliza a saída de Coimbra de serviços desconcentrados do Estado, afirma que Coimbra tem que reafirmar a sua centralidade e importância no contexto nacional e da região centro».

Aquilo que o PS está a fazer a Coimbra é o completo esvaziamento de poderes e competências, são autênticas ‘machadadas’ que fragilizam e enfraquecem não só a cidade de Coimbra, mas todo o distrito. Afirma que «está na altura de dizer basta» e que o PSD «não vai deixar de por a nu toda a desfaçatez de um partido que de socialista apenas tem o nome que na qual confunde maioria absoluta com poder».

 

Oração para antes da “Night”


Whisky e Vodka que estais no bar
Alcooletrado seja o nosso fígado
Venha a nós o copo cheio nunca pelo meio
Seja feita a nossa bagaçada
Assim na taberna como na calçada
A bjeca nossa de cada dia nos dai hoje

Perdoai as nossas bebedeiras
Assim como nós perdoamos
A quem não tenha bebido
Não nos deixeis cair na Coca Light
E livrai-nos da água e da bílis

Barmen!!!

Afirmou Jaime Soares


 

Poiares tem obra

O autarca de Poiares afirmou que a inclusão da câmara na lista das mais devedoras resulta de uma opção de desenvolvimento e acontece porque houve mudança da lei e há incumprimentos do Estado. “A minha preocupação é grande, porque quero ter as contas equilibradas, mas a preocupação seria maior se não houvesse obra correspondente”.

O autarca afirmou que nos 33 anos a presidir à autarquia, o município “esteve sempre no limite do endividamento”, e agora “essa ultrapassagem pequena existe porque as regras de jogo foram alteradas com esta Lei das Finanças Locais e o Estado é mau pagador”. Jaime Soares salienta que “evitava-se que estivesse nesta situação se fossem pagas algumas dívidas” resultantes dos contratos e protocolos com o Governo.
Se todos cumprissem Poiares não estaria no grupo dos 22. A situação é controlável. Há dívidas porque não há milagres. Queremos que os poiarenses sejam cidadãos de primeira como os de Lisboa e do Porto”, declarou.

22 Câmaras Municipais que foram notificadas em Setembro, que ultrapassaram os limites de endividamento em 2006, para se pronunciarem sobre o despacho do Min. de Estado e das Finanças, que determina uma redução em 10% do duodécimo do Fundo de Equilíbrio Financeiro, via retenção para o Fundo de Regularização Municipal:

Ansião
Carrazeda de Ansiães
Castelo de Paiva
Fornos de Algodres
Guarda
Lisboa
Lourinhã
Macedo de Cavaleiros
Mangualde
Mondim de Basto
Nazaré
Ourique
Penamacor
Santa Comba Dão
Santarém
São Pedro do Sul
Trancoso
Vila Franca do Campo
Vila Nova de Gaia
Vila Nova de Poiares
Vouzela
-xxxxxxxx?

Jaime Soares acusa Governador Civil de “Declarações Fantasiosas”


Jaime Soares explica sanções aplicadas pelos municípios

Jaime Soares aconselha o governador civil do distrito de Coimbra a “ser equilibrado, justo e rigoroso nas suas análises e posteriores declarações”.

O representante da Associação Nacional de Municípios Portugueses na área da Protecção Civil não gostou de ouvir as declarações de Henrique Fernandes, em relação à aplicação de sanções no que concerne aos autos de contra-ordenação levantados pela GNR, em matéria de falta de limpeza dos espaços florestais, ou de queimadas proibidas”.
Para o autarca de Poiares – que, recentemente, aconselhou o 2.º comandante da GNR nesse sentido –, não pode Henrique Fernandes esquecer de que os baixos números de ignições de fogos florestais se devem às “favoráveis condições climatéricas” e a duas entidades que têm contribuído, uns para a eliminação dos fogos florestais, outros para evitar a sua propagação – as autarquias, “na área de prevenção e planeamento (a maior parte das vezes em substituição do Estado)” e os bombeiros.
De seguida, Jaime Soares adianta os números dos autos de contra-ordenação levantados e dos seus resultados, de acordo com informação recolhida em 207 municípios portugueses:
• Autos de contra-ordenação levantados pela GNR e entregues aos municípios – 4.382
• Sanções aplicadas / Admoestações – 1.182
• Coimas aplicadas – 713
• Processos em fase de instrução – 2.366
• Processos arquivados – 121
O autarca lembra, depois, que a admoestação é uma sanção prevista em lei e que as coimas aplicadas se “baseiam estritamente numa análise rigorosa, mas não como atitude repressiva”. Por outro lado, os processos em fase de instrução estão a ser “rigorosamente analisados, porque os relatórios dos autos de contra-ordenação, na esmagadora maioria dos casos, não são tão explícitos quanto se desejaria para que se possa fazer uma justiça conscienciosa”. Já no que concerne aos arquivamentos, sublinha o facto de os infractores “corrigirem em tempo, e como tal cumprindo a lei, os pressupostos que deram origem à contra-ordenação”.
O dirigente da ANMP reafirma que os municípios “não querem, à custa de multas ou de coimas, angariar verbas para engordar os seus orçamentos”. E acrescenta que as sanções, “a serem aplicadas, deixariam muitos cidadãos do mundo rural à míngua de rendimentos”.
Assim, Jaime Soares aconselha o governador civil a que, “antes de fazer declarações precipitadas e injustas, sobreponha os valores da solidariedade e humanismo à repressão e à aplicação de coimas a qualquer preço, não devendo esquecer que a floresta é também um bem social”. A concluir, recorda a proposta, que a ANMP subscreve, de criar um livro de instruções para que o agente de autoridade, ao preencher o auto de contra-ordenação, refira rigorosamente, ao momento, as razões objectivas da contra-ordenação, nomeadamente a situação climatérica, o local da queimada e os cuidados que estavam a ser tidos pelo infractor.

In Diário das Beiras

Acção de formação sobre vinhos


Confraria da Chanfana Organiza Jornada

A Confraria da Chanfana vai realizar, a 17 de Novembro, uma acção de formação sobre vinhos, que será orientada pelo confrade e enólogo Carlos Lucas.

A acção decorrerá no Restaurante “O Confrade”, com início às 10H30, seguindo-se um almoço de confraternização, pelas 13H30. Ás 15H30 decorre a assembleia-geral da Confraria da Chanfana, seguindo-se um magusto.

O curso, o almoço e o magusto serão abertos a outros familiares e amigos.

Futebol-AFC


Clubes reuniram em Poiares

Vários clubes filiados na Associação de Futebol de Coimbra (AFC) estiveram reunidos este fim de semana que passou, em Vila Nova de Poiares, para discutir as questões relacionadas com os quadros competitivos, seguros, inscrições, bola oficial, medidas dos campos de futebol e horários.

Este encontro teve como anfitrião “Os Idosos”tendo ficado agendada nova reunião para 10 de Novembro, que terá lugar nas instalações do Adémia.

A reunião contou com a presença de clubes da distrital de Coimbra, embora também seja intenção dos responsáveis alargar a participação no diálogo. O próximo passo será em alargar a iniciativa aos clubes que disputam apenas as provas de futsal.

Moinhos de água na ribeira de Alveite


Moinhos de Água

Na ribeira de Alveite Grande ainda se podem ver alguns vestígios/ruínas de alguns moinhos de água, que outrora serviam para moer cereais, gerar electricidade, irrigar grandes áreas e drenar terrenos alagados a partir da força da água.

Pessoas aqui da aldeia como o meu bisavô, a ti Emília moleira, o ti Zé dos Passados entre outros trabalhavam a moagem.

Esta é a estrutura mais antiga conhecida de aproveitamento da energia cinética das águas da ribeira. Há centenas de anos que o movimento da água é usado nos moinhos. A passagem da água faz mover lemes de madeira que estão ligados a uma mó (pedra granítica redonda muito pesada). Esta, mói o cereal (trigo, milho, cevada e aveia etc.) transformando-o em farinha.

Actualmente as corredeiras e quedas da água são usadas principalmente para produzir energia eléctrica. Hidro significa água. Energia hidráulica é a energia produzida através do movimento da água, podendo ser disponibilizada sob a forma de electricidade, ou directamente sob a forma de energia mecânica (movimento de rotação).

Quando chove, nas colinas das serras que circundam Alveite Grande a água escorre para as ribeiras que se deslocam para o rio. O movimento ou a queda da água contém energia cinética e energia potencial que pode ser aproveitada como fonte de energia.
O declínio dos moinhos de água
Os moinhos de águas encontram-se dessiminados por todo o território, no entanto, a partir da década de 60, com a implantação de moagens industriais, accionadas a electricidade ou motores de combustão, foi alterada por completo a actividade dos moinhos de água.

A junta de freguesia o ano passado fez um trilho, limpando a passagem junto da ribeira com passagem junto de um dos dois moinhos desde a fraga até ao sítio do moinho velho, nos calhaus da fraga, mas actualmente esse trilho tem vindo a degradar-se com o tempo e com as cheias de Inverno e a vegetação que cresce a cada dia que passa, e é pena que não se faça um percurso pedestre que esteja permanentemente limpo para quem gosta de usufruir da natureza, e até uma recuperação dos moinhos.

Click na imagem!

11032007015.jpg

11032007018.jpg

 

Os 3 Icons da Música Portuguesa do Século XX


Carlos Paredes- Verdes anos

Alma lusa descrita na guitarra portuguesa como só Carlos Paredes faria e tocaria, genial.


Amalia Rodrigues _ Com que voz _

Amália elevou Portugal aos 4 cantos do mundo, o fado vive!Amália vive!


Traz Outro Amigo Também – José Afonso

Zeca foi mais que um nome, cantor, poeta ou músico, foi um lutador, um génio que desapareceu ficando a música Portuguesa mais pobre.

Ri-te mas não te mijes


Vão 3 engenheiros num carro que avaria. Eng. Mecânico: “Isto é um problema mecânico, provavelmente a válvula.” Eng. Electrotécnico: “Isto é definitivamente um problema eléctrico, um curto-circuito em qualquer sítio.” Eng. Informático: ” E se saíssemos e voltássemos a entrar?”

Câmara comprou autocarros


Viaturas permitem renovar a frota que serve as escolas

Entraram em funcionamento as duas novas viaturas de passageiros adquiridas pelo Município de Vila Nova de Poiares. Os dois autocarros permitem renovar a frota que serve a comunidade escolar, substituindo outros veículos que, apesar de estarem em perfeitas condições para circular em conforto e segurança as crianças e jovens do concelho, acabam por não cumprir as exigências da nova legislação devido ao tempo de uso.

Campo de golfe já mexe


Já começou a intervenção nos terrenos que irão servir para a criação do Campo de Golfe de 18 buracos em Vila Nova de Poiares.

É uma estrutura que se irá estender por mais de 60 hectares, que está inserida numa zona verde entre residências e a zona industrial e é considerada uma obra de grande valia para o município e para a própria região.

Neste momento a autarquia de Poiares está a limpar toda aquela zona sendo esta uma zona de mato denso e alto, e protegendo as árvores ali existentes, como sobreiros, oliveiras, choupos e pinheiros, e ao mesmo tempo preparando a zona para uma intervenção mais aprofundada para criar o relevo, lagos e outras características próprias de um campo de golfe.

Esta estrutura será mais um importante passo na estratégia da autarquia de Vila Nova de Poiares em promover um turismo de excelência no concelho, e também na procura de uma melhor qualidade de vida para os Poiarenses.

É uma aposta que se junta a outras da Câmara ao nível da promoção e preservação dos produtos endógenos ou seja artesanato, gastronomia, e da intervenção directa ou indirecta na criação de infraestruturas de lazer e desportivas.

Aditivos Alimentares Perigosos para a Saúde


Vamos fazer por uma saúde melhor!

Assim, consideramos muito importante que os consumidores estejam bem informados e sigam os seguintes conselhos:

– leia atentamente os rótulos dos produtos;
– prefira alimentos simples e pouco processados industrialmente;
– evite alimentos com cor activa (em regra têm corantes);
– reduza o consumo de produtos de charcutaria;
– prefira as refeições caseiras às pré-cozinhadas.

Antes de comprar qualquer produto, vejam bem a sua composição!!! Está nas vossas mãos!

Os corantes, naturais ou sintéticos, estão presentes na quase totalidade dos alimentos que chegam à nossa mesa. Apesar de testados cientificamente, são comuns alguns receios por parte dos consumidores. Será que essas reservas se justificam? Afinal, o que são os corantes?

Chegou a Primavera, espera-se sol e o céu azul. A Natureza vai esquecendo os tons tristes e cinzentos do Inverno e como que explode nas cores do arco-íris.
Aparecem as frutas da época, de cores vivas, vermelhas e amarelas. Mas qual a importância da cor nos alimentos? Porque nos sentimos atraídos pela coloração das cerejas e dos morangos? E por que se adicionam corantes a produtos alimentares? Os corantes artificiais são perigosos para a saúde?

Natureza a cores
As cores presentes nos frutos e vegetais são normalmente antocianas (como nas uvas), carotenoides (cenoura) ou clórofila (folhas verdes), mas podem apresentar estruturas químicas diferentes destes grupos. A cor vermelha das carnes é devida a uma proteína que contém um grupo heme, com ferro – a hemoglobina. Nos mariscos, a cor deve-se a um composto idêntico, em que o ferro foi substituído por cobre. Na Natureza abundam os tons amarelo, vermelho e verde, mas já o azul é mais raro.

Porque nos atrai a cor dos alimentos?
Os comportamentos de ingestão alimentar são determinados por vários factores, para além do mero apetite. A cor de um alimento pode originar uma reacção imediata de aceitação, participando directamente no prazer de comer, e realçando outras propriedades sensoriais, especialmente o sabor.
Quase todos comeríamos com prazer um arroz de açafrão, amarelo vivo, mas olharíamos com desconfiança um arroz azul, e, se calhar, nem o provávamos!
A prática da coloração dos alimentos remonta aos tempos mais antigos. Até meados do séc. XIX, os únicos corantes disponíveis eram de origem animal, vegetal ou mineral, mas por essa altura os pigmentos naturais foram progressivamente sendo substituídos por corantes de síntese, submetidos a disposições regulamentares próprias de cada país.
Actualmente, os corantes alimentares assumem uma grande importância, em virtude de aumentarem enormemente o número e a variedade de alimentos processados industrialmente. Os alimentos têm formulações cada vez mais elaboradas, são fabricados a partir de matérias-primas fraccionadas e reconstituídas e integram constituintes de origem diversa. Os corantes, nestes casos, podem restaurar a cor natural destruída durante as operações de transformação, tornar mais atraentes os produtos novos ou assegurar um aspecto padronizado.

Não se deixe enganar
A finalidade da inclusão de corantes nem sempre é clara, e já não há “inocência” quando a intenção é induzir em erro o consumidor, sugerindo a presença de certos ingredientes que nunca por lá passaram. É o caso do amarelo da manteiga, dos ovos nos bolos de pastelaria ou do vermelho dos morangos nos iogurtes e gelados. Pior ainda é o emprego de corantes, de forma fraudulenta, destinado apenas a disfarçar os defeitos do produto. Assim, preste atenção: leia cuidadosamente os rótulos do produto que vai adquirir; certifique-se que o refrigerante tem mesmo sumo de fruta, que não é só água com açúcar e tinta!
Corantes naturais ou sintéticos
?
As reservas dos consumidores em relação aos aditivos alimentares e a pressão de toxicologistas levaram a um crescente interesse pelos corantes naturais, em detrimento dos sintéticos, presumindo-se que um produto existente na natureza será sempre menos perigoso do que um químico. Alguma verdade há nisto, o problema é o “sempre”!

Um corante natural pode não estar “naturalmente” presente no alimento. A eventual toxicidade de uma substância não é função da sua origem ou natureza, mas da sua estrutura química. É que nem tudo o que é natural é bom! Os aditivos a utilizar na alimentação, naturais ou de síntese, devem estar sujeitos a um controlo rigoroso e ter provado a sua inocuidade. Mesmo assim, às vezes há surpresas.
Reconhecer os corantes
À semelhança do que acontece noutros países, estão definidos por lei quais os corantes alimentares permitidos, em que produtos podem ser utilizados e em que quantidades.
Todos os aditivos alimentares permitidos encontram-se classificados por “famílias” que têm a ver com a função que exercem. A cada um corresponde um código, constituído pela letra E (de Europa) seguida de três algarismos, sendo o mesmo válido para todos os países da União Europeia os corantes vão de E100 a E199, os conservantes de E200 a E299, os antioxidantes de E300 a E330, havendo ainda estabilizantes, espessantes, emulsionantes, gelificantes, antiaglomerantes, acidulantes, potenciadores do sabor coadjuvantes dos antioxidantes
Há para todos os gostos, e, sobretudo, para todas as necessidades da indústria. Frequentemente, é necessário utilizar vários aditivos em simultâneo, porque eles próprios se degradam e precisam de outros compostos para os estabilizar. Por isso, é tão vulgar um rótulo de um alimento processado conter vários “E”, e não um único. Por vezes, como os consumidores começam a desconfiar da presença dos “E”, estes são omitidos, aparecendo o “nome de baptismo” do aditivo (por exemplo, ácido cítrico, que existe naturalmente nas laranjas e limões).
Este não deixa de ser um produto químico, incorporado fora do seu contexto natural, que é um coadjuvante tecnológico mas não traz benefícios para a saúde, ao contrário do consumo de citrinos.

https://i1.wp.com/xafarica.weblog.com.pt/arquivo/lista%20codigos.jpg

 

Inédito de CARL SAGAN


Um livro a ter em conta

As Variedades da Experiência Científica

Em “As Variedades da Experiência Científica”: Uma Visão Pessoal da Procura de Deus, Carl Sagan expõe as suas opiniões sobre a relação entre religião e ciência, ao mesmo tempo que descreve o seu percurso pessoal no sentido de compreender a natureza do sagrado através da vastidão do cosmos. Em 1985, Carl Sagan foi convidado para proferir as famosas Palestras Gifford na Escócia, por ocasião do centenário desta iniciativa. O resultado foi a discussão fascinante das suas ideias sobre tópicos que vão da probabilidade da existência de vida inteligente noutros planetas ao perigo de aniquilação nuclear do nosso próprio planeta, passando pelo criacionismo, o chamado desígnio inteligente, a doença maníaco-depressiva, e a possível natureza química do sentimento de transcendência. Com a clareza, a erudição, a convicção e a beleza de que tornaram lendárias as suas conferências – e a grandeza intelectual singular que todos lhe reconheciam – o astrónomo e astrofísico ilustra o seu discurso com exemplos retirados da cosmologia, física, filosofia, literatura, psicologia, antropologia cultural, mitologia e teologia, entre outros domínios. É o conjunto dessas palestras, organizadas e actualizadas por Ann Druyan, a que se juntou o relato da discussão que se lhes seguiu, que foi agora reunido neste livro, publicado para assinalar o décimo aniversário da morte de Carl Sagan. Com esta sua última obra até agora inédita a Gradiva inicia a série «Obras de Carl Sagan» numa homenagem a um Autor singular que também Portugal fez muito pela promoção da cultura científica, despertando o entusiasmo pela ciência em muitas gerações de jovens portugueses.

Um grande cientista do nosso tempo, com contributos relevantes para o avanço do conhecimento em vários domínios, a sua capacidade extraordinária de tornar acessível a mais complexa teoria científica impôs também Carl Sagan como um dos mais brilhantes e populares divulgadores de ciência. A expressividade do seu discurso, o deslumbramento que sentia e soube transmitir como nenhum outro, as suas observações argutas, os seus pontos de vista informada e assumidamente especulativos por vezes surpreendentemente proféticos sobre alguns dos maiores mistérios do cosmos têm o efeito revigorante de estimularem o intelecto, encorajarem a imaginação, suscitarem vocações, despertarem-nos de novo para a grandeza da vida e os mistérios que desafiam a nossa razão e dão sentido e podem tornar empolgante a nossa existência.

O AUTOR

CARL SAGAN (1934-1996) foi professor de Astronomia e Ciências Espaciais e director do Laboratório de Estudos Planetários na Universidade de Cornell. Desempenhou um papel preponderante nas missões interplanetárias das naves Mariner, Viking e Voyager, tendo sido condecorado por duas vezes com a Medalha por Feitos Científicos Excepcionais da NASA. Carl Sagan recebeu ainda o Prémio Pulitzer, assim como as mais altas distinções tanto da Academia Nacional de Ciências como da Fundação Nacional da Ciência, entre muitos outros prémios que distinguiram a sua contribuição para a ciência, a literatura, a educação e a preservação do meio ambiente. O seu livro Cosmos (que se seguiu à série de televisão homónima vencedora de um Emmy e de um Prémio Peabody) é o livro de divulgação científica em língua inglesa mais vendido de sempre. O seu romance Contacto, também um best-seller, foi adaptado ao cinema.

Carl Sagan foi dos primeiros cientistas a alertar o público para o perigo do aquecimento global e das possíveis consequências climáticas de uma guerra nuclear. Na década de 1980 iniciou uma campanha em prol de uma aliança entre religião e ciência com o objectivo de proteger o meio ambiente.

Em 1998, por ocasião da visita a Portugal da sua Mulher Ann Druyan cumprindo uma promessa de Carl Sagan que ele não viria a poder concretizar, foi distinguido com a Grã-Cruz da Ordem de Santiago de Espada pelo Presidenta da República Jorge Sampaio, sendo Ministro da ciência José Mariano Gago.

Manifestação de Polícias em Lisboa


Manifestação de polícias em Lisboa

Polícias manifestaram-se ontem a partir das 17h em Lisboa, no Parque das Nações. A manifestação decorreu no dia em que começou em Lisboa uma reunião de ministros de Justiça e da Administração Interna da União Europeia.

As reivindicações dos sindicatos de polícia subiram de tom. Dos encontros e passeios, as associações sindicais da PSP passaram para uma iniciativa mais dura, em que as palavras de ordem se fizeram ouvir: “Sócrates toma atenção, os polícia têm razão”; “Sócrates escuta, os polícias estão em luta”.

Segundo a ASPP, associação sindical dos profissionais de polícia, os motivos que levaram à convocação desta manifestação são:”A inexistência do horário de trabalho; a falta de condições nas esquadras, o material obsoleto e desadequado; a falta do efectivo cumprimento da negociação colectiva; o incumprimento dos prazos das promoções e as alterações verificadas nos sistemas de saúde (SAD/PSP) e de aposentação.

Para além da ASPP/PSP, estiveram presentes elementos do Sindicato dos Profissionais da Polícias (SPP/PSP), do Sindicato Independente dos Agentes da Polícia (SIAP) e do Sindicato Nacional da Polícia (SINAPOL).

O presidente da ASPP/PSP disse que gostaria que os polícias fossem fardados mas desarmados, mas que não impunha que fossem ou não fardados.

A manifestação ocorreu devido à falta de resposta a um caderno reivindicativo entregue em Novembro de 2006 ao Governo, exigindo recuos nalgumas decisões que os polícias consideram que lhes foram prejudiciais.

 SAIBA MAIS

– 21 mil polícias, o total do efectivo da PSP, passaram a pagar mais 11 euros por mês por um serviço de saúde que consideram “de pior qualidade” do que o anterior, disse António Ramos, do SPP/PSP.

– 3 elementos da PSP já cometeram suicídio este ano. Dionísio Câmara, presidente do SIAP, defende que o Comando Nacional da PSP devia criar um melhor serviço de apoio psicológico.

MANUEL FERREIRA

Este agente principal de Espinho disse: “Nunca sabemos se estas iniciativas valem a pena, mas se não fizermos nada as pessoas vão pensar que está tudo bem.”

JOSÉ PACHECO

Este agente de Portimão referiu que “com as alterações, a minha mulher os meus filhos precisam de um médico e não têm”.

LILIANA MALHEIRO

Esta jovem de Ponte de Lima, a prestar serviço na 2.ª Esquadra de Investigação Criminal, em Lisboa, é polícia desde 2000 e diz que já devia ser agente principal há dois anos, mas que a promoção nunca mais chega.

Fotopoulos Christos “Todos os polícias da Europa estão unidos nesta luta”, disse este representante de um sindicato da polícia da Grécia.

NOTAS

SECOS E MOLHADOS

Foi a 21 de Abril de 1989 que polícias que se manifestavam na Praça do Comércio entraram em confronto com camaradas do CI.

bike.jpg