Festa de aniversário em casa dos meus vizinhos e amigos ingleses


Santo António da Neve e os poços da neve


Santo António da Neve – Lousã

Vista para o Alto do Trevim

Vista para o Alto de Santo António da Neve

Neste dia passei por uma das mais belas paisagens da região centro do país, o alto da serra da Lousã, tanto o Trevim como Santo António da Neve com a sua capela oferecem ao visitante uma grande aventura: nas vertentes húmidas aparecem vestígios da floresta sempre-verde e o azevinho ou o loureiro as carquejas em flor bem como a urze deixam no ar um perfume a primavera surpreendendo-nos na subida. Os carvalhais e essas majestosas árvores que são os castanheiros deixam adivinhar o voo dos pássaros como os gaios… e demais animais como os coelhos que por vezes são visíveis.

Os cucos anunciam-se na Primavera e nos muros assentes em pedra empilhada que ladeiam os caminhos, pode esconder-se uma carriça. As Aldeias construídas em xisto surpreendem pela sabedoria! Tudo se aproveitava na altura: as padieiras das portas e das janelas são de castanho, as lages de xisto estão nos beirais, por cima das telhas e nas soleiras. Dos soutos vinham as castanhas e a sopa de castanha ficou famosa até hoje. A cabra comia-se e come-se quando velha e macerada pelo vinho tinto que a torna macia e dava sabor à chanfana. Das pequenas hortas vinham grelos frescos que, misturados com a broa e o azeite, chegavam a migas deliciosas. Das urzes e com muitas abelhas ainda hoje se faz um excelente mel. Digo mais uma coisa! Vale a pena fazer um passeio a estes locais que são de uma paisagem natural indescritível.

Capela de Santo António da Neve

Datada do século XVIII, esta capela terá sido mandada construir por Julião Pereira de Castro, neveiro da casa real.

A sua denominação deve-se ao facto do seu orago ser Santo António de Lisboa e também por ficar situada junto aos poços de neve, situados no Cabeço do Pereiro, em plena Serra da Lousã. Foi construída devido ao elevado número de pessoas que trabalhavam então nos poços de neve, inclusive ao fim de semana, e que necessitavam de se deslocar para assistir à missa.

Poços de Neve

De construção anterior à Capela, são construções de forma cilíndrica, feitas com pedra da região. Dos sete que existiam inicialmente, hoje restam apenas três, situados junto à Capela de Santo António da Neve. Era aqui que era armazenada a neve da serra durante o inverno para depois, chegado o verão, partir penosamente transportada em carros de bois, para a corte e para o café Martinho da Arcada, em Lisboa, então chamado “Casa das Neves”. Trabalho penoso, empregava um elevado número de pessoas da região, incluindo mulheres e crianças.

Edifício da Câmara Municipal alvo de grandes beneficiações


O Edifício dos Paços do Concelho, sede da Câmara Municipal de V. N. Poiares está a ser completamente remodelado, numa obra que se prevê que esteja concluída ainda este ano.

O edifício já antigo está a ser totalmente  intervencionado numa estratégia que visa sobretudo dotar todo aquele espaço de condições de maior conforto e com um ambiente mais agradável quer para os munícipes, quer para os próprios funcionários.

As obras no valor de 760 mil euros, incidem na remodelação de todos os gabinetes e de todos os espaços destinados ao atendimento público, sendo de destacar o aproveitamento de toda a parte superior do edifício para instalação do arquivo municipal.

Para o presidente da Câmara Municipal, estas obras vão modificar por completo os Paços do Concelho, sem, no entanto, alterar minimamente a traça original do edifício. Esta é uma remodelação que no seu entender vai conferir ao edifício um visual totalmente novo, mais acolhedor, mais jovem, moderno e perfeitamente adaptado às novas exigências da sociedade.

Revolução dos Cravos


25 de Abril

O golpe de estado militar do dia 25 de Abril de 1974 derrubou, num só dia, o regime político que vigorava em Portugal desde 1926, sem grande resistência das forças leais ao governo, que cederam perante a revolta das forças armadas. Este levantamento é conhecido por Dia D, 25 de Abril ou Revolução dos Cravos. O levantamento foi conduzido pelos oficiais intermédios da hierarquia militar (o MFA), na sua maior parte capitães que tinham participado na Guerra Colonial. Considera-se, em termos gerais, que esta revolução trouxe a liberdade ao povo português (denominando-se “Dia da Liberdade” o feriado instituído em Portugal para comemorar a revolução).

Zona Industrial de Vila Nova de Poiares


Albufeira da Barragem das Fronhas


Formigas


Neves & Bandeira convida a conhecer e a experimentar o novo Mitsubishi Lancer


A Neves & Bandeira, empresa do Grupo Alves Bandeira, concessionária automóvel da marca Mitsubishi, sediada em Vale de Vaz no nosso concelho, vai sortear vários prémios junto dos clientes que experimentarem o novo modelo Mitsubishi Lancer.

Entre os vários prémios que vão ser sorteados pela Neves & Bandeira, empresa do Grupo Alves Bandeira, para os clientes que experimentem o novo modelo Mitsubishi Lancer, o destaque vai para um fim-de-
-semana num hotel à escolha na cadeia de Hotéis Alexandre de Almeida. (Palace Hotel Bussaco, Hotel Praia Mar, Hotel Metrópole, Cúria Palace Hotel, Hotel Astória e Hotel Jerónimos 8).
Para participar neste sorteio basta visitar até 30 de Maio um dos stands de vendas Neves & Bandeira (Oliveira do Hospital e Vila Nova de Poiares) e viver a emoção de conduzir este automóvel realizando um test-drive ao novo Mitsubishi Lancer. Os clientes ficam assim automaticamente habilitados aos prémios desta campanha, nomeadamente o fim-de-semana acima mencionado num Hotel Alexandre de Almeida, um GPS e um vale de 100 euros de combustível nos postos de abastecimento Alves Bandeira.
O novo Lancer Sport Sedan, o primeiro veículo da renovada família Lancer está disponível na versão de quatro portas, com motorizações de 1.5L a gasolina e 2.0L a diesel, respectivamente com 109cv e 140cv e vem trazer de volta a emoção do ADN desportivo da marca, a partir de 18.000 euros.
«Sustentado pelo arrojado design e pela excelência da engenharia, construído para durar, espaçoso e com um estilo único», referem os responsáveis, o novo Lancer proporciona «uma experiência de condução confiante e de genuína satisfação», acrescentam ainda. Tendo sido inspirado «nos vários anos de sucesso alcançados nos mais difíceis ralis do mundo», este modelo foi concebido para «ser bem sucedido no ambiente mais exigente de todos, o mundo real do nosso dia a dia», rematam os responsáveis.

Vista lateral do Penedo do Mouro com a sua gruta


Ayton Senna a lenda…


Imola 1994 F1

Ayrton Senna the GOD of formula one dies.
Uma Lenda…que fica para a eternidade.

Comemorações do 34º aniversário do 25 de Abril em Poiares


PROGRAMA: Dia 25 – Sexta-Feira

09H00 – Hastear da Bandeira

10H00 – Provas de Atletismo

12H00 – Sessão Solene presidida pelo presidente da Câmara no Auditório Municípal

– Entrega de taças e troféus aos participantes nas provas de atletismo

– Homenagens por mérito municipal

15H00 – Comemorações do III Aniversário das Piscinas Municipais

– Actividades aquáticas

21H30 – Espectáculo com o artista Rão Kyao no auditório do Centro Cultural      (entrada gratuita).

Dia 26 – Sábado

11H00 – “500 Milhas” de Chaves a Loulé – ACP – Passeio de automóveis clássicos – Passagem em Vila Nova de Poiares (concentração junto ao Monumento ao Cristo).

21H30 – Peça de teatro/comédia “A Birra do Morto” no auditório do Centro Cultural (entrada gratuita).

Pinhais do Centro estão infectados com um parasita perigoso


O nemátodo ataca o sistema de circulação da árvore, enfraquecendo-a e tornando-a mais susceptível ao ataque de outras pragas. O contágio ocorre através de um insecto vector (em Portugal o longicórnio do pinheiro – Monochamus galloprovincialis, que transporta os nemátodos nas traqueias).

A dispersão da doença está limitada à altura, e capacidade de voo dos insectos (entre Abril e Outubro). Ataca a generalidade das espécies de pinheiro e outras coníferas, à excepção do género Thuia. Algumas espécies de pinheiro, como o pinheiro-bravo, pinheiro-larício e pinheiro-silvestre são muito susceptíveis.

O adulto do insecto vector alimenta-se nos raminhos e rebentos de árvores adultas, arrastando consigo estados juvenis do nemátodo, que penetram por estas feridas. O nemátodo coloniza rapidamente os vasos do xilema, bloqueando o seu funcionamento, o que provoca a morte da árvore. Nas árvores mortas o nemátodo alimenta-se dos fungos que provocam o azulamento da madeira (do género Ceratocystis). As árvores debilitadas ou recentemente mortas atraem as fêmeas do insecto vector, que aí fazem a postura, podendo transmitir igualmente nemátodos. As larvas desenvolvem-se e transformam-se em adultos, os quais são colonizados por nemátodos antes destes abandonarem as árvores atacadas na, Primavera seguinte.

Cerca de 6,5 mil hectares de floresta em Arganil e na Lousã vão ser demarcados como zona afectada e os pinheiros serão destruídos.

A doença do pinheiro (nemátodo) chegou ao Centro do país, nomeadamente a pinhais nas zonas de Lousã e Arganil, onde serão em breve destruídas milhares de árvores.

Segundo uma nota do Ministério da Agricultura, «por proposta da autoridade florestal nacional (DGRF), o Governo vai publicar uma portaria demarcando duas novas áreas de pinhal, totalizando 6500 hectares, na freguesia de Sarzedo, em Arganil, e na freguesia da Lousã, onde serão aplicadas as medidas especiais correspondentes à Zona Afectada, sendo que na Zona de Restrição estarão inseridas áreas de alguns concelhos limítrofes». A mesma portaria estipula que «quando sejam detectados exemplares infectados pelo nemátodo, mesmo fora da Zona Afectada, os respectivos proprietários, usufrutuários e rendeiros são notificados para proceder ao seu abate e remoção. Esta obrigação deverá ser cumprida no prazo máximo de 10 dias a contar da notificação por parte da DGRF». A notícia tinha sido avançada ontem à tarde pelo “Expresso Online”, segundo o qual pode estar em risco toda a área de pinhal nacional, que se estende por 710 mil hectares. Um cenário que significaria a ruína da base económica de toda a região Centro do país. Uma situação que o mesmo comunicado do Ministério da Agricultura tenta desdramatizar, referindo que «nas zonas afectadas pelo nemátodo se encontram apenas cerca de 10% do pinhal português, que no País representa 710 mil hectares de área». Embora o Ministério da Agricultura diga que vai dar especial atenção aos proprietários florestais, a verdade é que João Ribeiro, director executivo da Flopen (Organização de Produtores Florestais), soube desta notícia pelo Diário de Coimbra e admite que esta praga «terá um impacto muito grave na parte da produção e da indústria», prometendo acompanhar o desenrolar desta situação de muito perto.

O nemátodo da madeira do pinheiro foi detectado pela primeira vez em Portugal em Maio de 1999 na península de Setúbal, zona onde tem estado em curso um plano específico que visa duas coisas: erradicar a praga e impedir a sua propagação ao resto da floresta nacional. Foi mesmo necessário recorrer à criação de uma faixa fitossanitária, mas nem assim parece que se conseguiu confinar a doença à península de Setúbal.

Presidente do CEC conheceu desenvolvimento do concelho


O presidente do CEC-Concelho Empresarial do Centro/CCIC-Câmara de Comércio e Industria do Centro visitou o nosso concelho, tendo sido convidado pelo Sr. Presidente da Câmara.

Almeida Henriques ficou e mostrou-se muito surpreendido com o desenvolvimento económico do concelho, deixando um compromisso de em breve se realizarem reuniões com o município para avaliar o potencial de desenvolvimento do concelho, no qual podem resultar protocolos de colaboração.

Na visita, manifestou o seu desconhecimento pelo grande desenvolvimento do concelho, tendo em conta a zona industrial onde fez uma paragem obrigatória, o qual visitou a maior empresa do concelho-a MARIGOLD INDUSTRIAL PORTUGAL – (fábrica das luvas), a qual emprega cerca de 225 funcionários. Está inserida no actual parque industrial com mais de 70 hectares.

Esta zona tem já projecto de alargamento, que representa um segundo pólo de igual dimensão onde será instalado um Centro de Negócios. Almeida Henriques visitou ainda a ADIP – Associação Integrado de Poiares, a maior instituição de solidariedade social do concelho dando apoio a crianças, seniores, empresas e empresários e pela formação.

O presidente do CEC ficou a conhecer as novas apostas na área da Cultura, Protecção Civil e Lazer, onde de destaca o Centro Cultural de Poiares, o Jardim à Raça Poiarense, o novo quartel dos Bombeiros Voluntários de Poiares e o aeródromo do Bidueiro.

Esta visita irá de certeza marcar o início de parcerias importantes entre o CEC o município e as empresas do concelho, contribuindo para a criação de mais riqueza e mais postos de trabalho, mais e melhor qualidade de vida.

ABBA – SOS


ABBA-S.O.S.

Quem não se lembra desta música ou simplesmente dos ABBA! Magnifica!

Poiares e Arganil já avançaram com a construção de centros educativos


Os municípios de Arganil e Vila Nova de Poiares, assim como Cantanhede, já assinaram os contratos de financiamento para a construção dos centros educativos previstos nas respectivas cartas educativas.

Apenas três concelhos do distrito de Coimbra já tem garantido o funcionamento para a construção dos centros educativos, prevista na Carta Educativa, tendo os contratos sido assinados no passado dia 10, em Abrantes.

Arganil e Vila Nova de Poiares, tal como Cantanhede, são os municípios que vão avançar, desde já para a construção dos novos estabelecimentos de ensino.

No caso de Arganil, trata-se dos centros educativos de Coja e S. Martinho da Cortiça, num investimento global de quase dois milhões de euros, comparticipado, na sua maioria por fundos comunitários.

Poiares a “meio gás”, Vila Nova de Poiares, que foi um dos primeiros concelhos do país a ver aprovada a carta educativa, também assinou o contrato de financiamento, mas apenas relativamente ao Centro Educativo de Santo André, que visa a ampliação para 12 salas de aula, um investimento de cerca de 1,5 milhões de euros.

Para Jaime Soares só existe a possibilidade de existirem três centros, “porque é isso que está na Carta Educativa que foi aprovada”, considerando que o Gabinete de Estudos e Planeamento do Ministério da Educação não tem competências para chumbar o financiamento.

No início de Março, a autarquia preparava-se para analisar as propostas, para poder escolher o candidato melhor posicionado para realizar as obras.

Na Carta Educativa de Vila Nova de Poiares estão ainda previstos os centros educativos de S. Miguel e Santa Maria, num investimento global da ordem dos 3,5 milhões de euros. Os contratos de financiamento foram assinados pelas autarquias, numa cerimónia em que estiveram presentes o primeiro-ministro e os ministros da Educação e do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional.

Na ocasião, foram assinados contratos de financiamento relativos a 31 candidaturas, de 16 municípios, num investimento global de 33 milhões de euros, 19 dos quais são suportados pelos fundos do Quadro de Referência Estratégica Nacional e o restante pelos municípios.

Formação de geada em Alveite


Capela de S. Tiago à noite


Foi aprovado o Plano de Defesa da Floresta Contra Incêndios de Poiares para 2008


Mais recursos e equipamentos disponíveis são algumas das alterações do (POM).

A Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra incêndios aprovou por unanimidade o Plano Operacional Municipal (POM) para 2008. Comparativamente com o ano anterior, destacam-se algumas alterações introduzidas, nomeadamente a actualização do histórico e causalidade dos incêndios florestais e a melhoria dos equipamentos e recursos disponíveis, com a aquisição de uma nova viatura pelo Município (através do Programa AGRIS 3.4.) e a entrada em funcionamento dos nossos kit’s de combate a incêndios florestais, atribuídos às Juntas de Freguesia de Lavegadas e Arrifana, no âmbito do protocolo celebrado entre a ANAFRE e os Ministérios da Administração Interna e da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas.

Assim, foram criados mais dois sectores de actuação e três novas equipas de vigilância. O responsável máximo pela Protecção Civil no concelho de Poiares, o presidente da Câmara Municipal, Jaime Soares, presidiu à Comissão Municipal e fez questão de sublinhar a importância da prevenção e da vigilância neste sector.

O Plano Operacional Municipal funciona como uma ferramenta operacional do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI), seguindo as suas linhas estratégicas orientadoras, e tem como principal objectivo articular todos os agentes que integram o dispositivo de vigilância, estabelecendo ainda sectores de actividade para cada agente, nomeadamente de vigilância e ataque inicial.

Confraria sensibilizou crianças para os “trilhos da chanfana”


A Chanfana à mesa com as nossas crianças.

Iniciativa terminou hoje em Poiares

É uma das várias iniciativas que a confraria da Chanfana promove junto dos mais novos, com objectivos marcadamente didácticos e pedagógicos. Pretende-se sensibilizar as crianças em idade escolar para o valor da gastronomia de Vila Nova de Poiares, em especial da «genuína».

Em causa está a iniciativa “A Chanfana à mesa com as nossas crianças”, que termina amanhã e voltou, este ano, uma vez mais, a eleger os mais novos como público-alvo para conhecer de perto e de forma participada os “trilhos da chanfana”.

O evento, que conta com o apoio da autarquia, centrou este ano a as suas atenções nos alunos do 7º ano de escolaridade da EB 2,3 Dr. Daniel de Matos, envolvendo um total de cerca de 120 crianças que foram convidadas a cumprir todo o circuito, que envolve desde o fabrico dos caçoilos à confecção da chanfana, terminando com a sua degustação.

As crianças, divididas em grupos, começam o seu périplo pela ADIP, onde tem oportunidade de assistir ao vivo à confecção dos caçoilos de barro preto, bem como o forno onde são cozidos e onde também é confeccionada a chanfana.

A visita prossegue em direcção ao restaurante “O Confrade”, sede da Confraria da Chanfana, onde assistem a todo o processo de preparação da carne, numa “visita guiada” acompanhada pelos confrades, a quem compete a tarefa de explicar em que consiste uma confraria e, em particular, o que é a Confraria da Chanfana e a sua importância e papel como instituição que zela pela «preservação do património da região».

No final, é tempo para saborear a afamada chanfana, num almoço que marca o final do circuito de sensibilização e aprendizagem em torno dos “trilhos da chanfana”.

Aos jovens são desafiados, de acordo com a confraria, a realizar um trabalho, onde dêem testemunho sobre tudo o que viram e fizeram ao longo desta iniciativa. Um exercício que depois a confraria vai analisar para depois o melhor trabalho será publicado na revista da confraria, “Chanfana à Mesa”. Para além disso, a turma vencedora será convidada a participar no próximo capítulo gastronómico da chanfana, a realizar no segundo fim-de-semana de Setembro, sendo contemplada com um prémio surpresa.

Alveite vista da Serra do Vidueiro