Fotos do jantar relacionado com a renovação da iluminação pública em Alveite


imgp1730.jpg

imgp1731.jpg

imgp1732.jpg

imgp1734.jpg

imgp1733.jpg

imgp1735.jpg

imgp1736.jpg

imgp1737.jpg

Click nas Imagens!

Anúncios

Fotografias do Almoço celebrado no dia das mulheres, no Centro de Convívio de Alveite


[rockyou id=107966029&w=426&h=319]

Fotos cedidas por um casal de holandeses residentes em Alveite Grande

Na Serra do Carvalho foram plantadas árvores por crianças


Centena e meia de crianças plantaram árvores oferecidas pela Marigold.

A Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares, em parceria com a Marigold Industrial Portugal e com a colaboração das crianças dos jardins de infância da ADIP – Associação de Desenvolvimento Integrado de Poiares e do CBEISA – Centro de Bem-Estar Infantil Santo André, plantaram cerca de 120 árvores de espécies autóctones na Serra do Carvalho.

A iniciativa, integrada nas comemorações do Dia Mundial da Árvore, juntou mais de centena e meia de crianças que, assim, plantam as primeiras árvores daquele que será,

Num futuro próximo, um dos mais importantes parques naturais da região. Este é 8m parque que o município de Vila Nova de Poiares há muito tem projectado e que faz parte de um projecto mais amplo de renaturalização da Serra do Carvalho, que se irá constituir como um importante pólo de preservação da biodiversidade, não só da flora, mas também da fauna.

Num espaço ciclicamente assolado pelos fogos florestais, a prevenção assume-se como primordial e, para isso, o município tem vindo a arrancar milhares de pés de eucalipto desta área, que darão lugar às várias espécies autóctones, transformando-a num “tampão” natural contra os incêndios, atendendo às importantes capacidades de resiliência das espécies que ali serão plantadas. Ao todo serão mais de 150 hectares de área protegida, onde se poderão encontrar espécies como cerejeiras – bravas, plátanos, carvalhos, castanheiros, cedros e muitas outras.

Já no que toca à fauna, o espaço será povoado com perdizes, coelhos, lebres, corsos, veados ou ainda cabras serranas. Para este projecto, o município de Poiares está a tentar captar fundos comunitários, fundamentais para a concretização da infra-estrutura. Para já foram plantadas as primeiras árvores, oferecidas pela empresa Marigold Industrial Portugal, sedeada na Zona Industrial.

O presidente da Câmara Municipal esteve presente na iniciativa e sublinhou o simbolismo do acto. Jaime Soares dirigiu ainda um sentido agradecimento não só à empresa Marigold pela oferta, aos jardins-de-infância presentes e às suas crianças, mas também a todos os poiarenses que têm ajudado a autarquia a construir um município “cada vez mais atractivo e com uma qualidade de vida e bem estar cada vez melhores”.

Federação das confrarias aprova código de ética


O Conselho Geral da Federação Portuguesa de Confrarias Gastronómicas (FPCG) reuniu em Vila Nova de Poiares, na sede da Confraria da Chanfana, para aprovação do relatório de actividades e relatório de contas do exercício de 2007. No encontro foi também aprovado o código de ética, previsto no artigo 7º dos Estatutos da FPCG, relativo às actividades das confrarias e o seu relacionamento institucional.

Jaime Soares, da Confraria da Chanfana, que preside desde 2006 à FPCG, sublinhou o bom trabalho desenvolvido pela direcção e saudou a iniciativa de elaboração de um Código de Ética, provado por unanimidade e com aclamação. Apelou ainda ao esforço de todos os presentes no sentido de conferirem à Federação «o relevo e visibilidade adequados ao próprio estatuto da FPCG que, afinal de contas, é o órgão máximo das confrarias».

O encontro, no qual participaram as confrarias federadas, foram ainda tratados alguns assuntos relacionados com a realização do II Congresso da FPCG, nomeadamente a comissão organizadora, regulamento, programa provisório e apreciação das propostas de alteração de estatutos, já discutidas no último Conselho Geral e que serão apresentadas no congresso.

Foi ainda apresentado, pelo Conselho Fiscal, um voto de louvor à Direcção, presidida por Madalena Carrito, pelo «bom trabalho desenvolvido na gestão dos interesses das confrarias».

Poiares alarga zona de caça


Conselho Cinegético reuniu

O conselho Cinegético Municipal de Vila Nova de Poiares reuniu ontem, com o objectivo de fazer um balanço da época de caça e perspectivar a próxima jornada.

A grande novidade anunciada no encontro foi o alargamento da zon a de caça municipal, que englobará a mancha da época anterior, “acrescentando-se a área correspondente a toda a extensão da Freguesia das Lavegadas”., esta zona “esteve interdita, em virtude de estar a ser repovoada com espécies de caça”.

O encontro, que reuniu os representantes da Associação de Defesa do Ambiente – Quercus, da Direcção Regional dos Recursos Florestais, da Associação de Caçadores, da Cooperativa Agro-Pecuária e representantes das juntas de freguesia do concelho de V.N. de Poiares, foi o espaço próprio para fazer o balanço da época venatória de 2007/2008.

Nesse sentido os elementos do Conselho Cinegético analisaram as jornadas de caça, bem como o tipo e número de espécies abatidas, para além de outros aspectos, com destaque para o processo de renovação da zona de caçamunicipal por um período de mais de seis anos, bem como a proposta do plano anual de exploração para a próxima época venatória de 2008/2009.

Na oportunidade, o presidente do Conselho Cinegético, e presidente da autarquia de Vila Nova de Poiares, sublinhou ainda o projecto de renaturalização que está a ser implementado na serra do Carvalho. Trata-se de um projecto que, tem em vista a “criação de um parque natural, que se assumirá como um importante pólo de preservação da biodiversidade, não só da flora, mas também da fauna, dentro de uma estratégia devidamente integrada e sustentada de defesa da floresta contra incêndios”.

MAKALU vai ser o novo desafio de João Garcia


Alpinista português vai escalar a quinta montanha mais alta do mundo, se for bem sucedido vai ser a décima montanha com mais de 8.000 metros de altitude no seu curriculum.

O alpinista português João Garcia vai liderar uma expedição internacional ao topo do Monte Makalu, que se vai realizar de 25 de Março a 6 de Junho, no âmbito do projecto “À conquista dos picos do mundo”.

Na escalada ao Makalu, João Garcia vai contar com a companhia do alpinista belga Jean-Luc Fohal, do australiano Andrew Lock, do inglês Neil Ward e do mexicano Hector Ponce de Leon.

O Monte Makalu, o quinto mais alto do Mundo, com 8.463 metros de altitude, situa-se na fronteira entre o Nepal e a China, a 22 quilómetros do Evereste, e é considerada uma das montanhas mais difíceis de escalar, registando-se menos de duzentos alpinistas que conseguiram chegar ao topo.

Boa escalada e bom regresso.

V Extreme Riders foi na Lousã este fim de semana


Image

Image

Image

Image

Cedric Gracia completou ontem 30 anos, e nada melhor que uma surpresa para comemorar. Foi na Padaria, na Lousã que Marco Fidalgo, Renato Ventura, Victor Santos (Tita), amigos da Lousã, e muito outros se juntaram para cantar parabéns a Cedric. Entre fatias de bolo algum champanhe, Cedric disse que está na Lousã para treinar e para participar na Maxxis Cup em Gouveia já não próximo fim-de-semana.

A corrida mais louca do mundo teve lugar este fim-de-semana na Serra da Lousã desde o alto do Trevim até à Lousã foram cerca de 15 km sempre a descer, metade do percurso em estradão e outra metade em single tracks. Com o São Pedro a não ajudar e a enviar chuva para estes loucos que descem a serra numa partida conjunta e que dão tudo para ver quem chega primeiro. Hélder Padilha um homem da casa, venceu com distinção e com grande avenço para o segundo classificado.

Além das dificuldades do terreno, os participantes do Extreme Riders 2008 ainda tiveram de vencer a chuva e o frio. A prova teve vencedores da casa.
Não bastavam já as pedras, as raízes, as ribeiras que eram preciso saltar. Não. Ainda tinha de aparecer a chuva, o vento, o nevoeiro e o frio – muito frio – para dificultar a vida aos participantes Extreme Riders 2008. À partida da prova, no sábado, no alto do Trevim, a mais de 1.200 metro de altitude, as temperaturas roçaram os zero graus centígrados.
O mau tempo afastou alguns participantes – a organização esperava 450, apareceram cerca de 370 – mas aqueles que desceram os 15 quilómetros até à Lousã não se arrependeram. “A chuva tornou o caminho ainda mais excitante, mais complicado. E quanto mais difícil melhor. Esta é uma corrida dura, para pessoas que gostam de andar de bicicleta e que não têm medo”, refere João Bandeira.
A prova, que já vai na sua quinta edição, teve um vencedor da casa. Hélder Padilha, natural da Lousã, foi o mais rápido na descida, com um tempo de 13’53’’. O piloto, que repetiu o triunfo do ano passado, admite que teve “um bocado mais de pernas” no início da corrida e, depois, bastou “controlar o andamento e gradualmente, ir ganhando vantagem” para alcançar uma vitória de que “não estava à espera”.
Na segunda posição ficou o catalão Pau Rexachs. O vice-campeão europeu participou no Extreme Riders pela segunda vez e não conseguiu discutir a vitória final devida a uma queda num sítio onde não estava à espera. Para o próximo ano, Rexachs promete voltar e, beneficiando do facto de sair na primeira fila, “tentar ganhar”.
O pódio ficou completo com Sérgio Campos. Alexander Evans, o britânico que era um dos favoritos à vitória final, lesionou-se e não pôde competir.
Na categoria feminina, a vencedora também se chama Padilha. Carina Padilha, irmã de Helder, foi a mais rápida das três raparigas que participaram na prova, ficando à frene de Áurea Agostinho, uma das melhores da modalidade em Portugal, que correu lesionada e teve de se contentar com o segundo lugar.
No final, a vencedora admitiu que a chuva “dificultou bastante” a corrida e explicou que o espírito da prova “não é tanto ganhar mas mais o convívio”.
O Extreme Riders é a maior prova colectiva de down hill, free ride enduro, all mountain e BTT do país. A adrenalina é a palavra-chave da corrida. Nesta autêntica avalanche, os partipantes efectuam uma descida vertiginosa desde os 1.205 metros de altura do Trevim até à chegada à Lousã. São 15 quilómetros “sempre a abrir”.