Passagem do pelotão da Volta por V.N.Poiares com a 1ª meta Volante


Aproximação á 1ª Meta Volante

Grupo da frente a passar pela Meta Volante: Davide Ricci Bitti, António carvalho, José Cano, Sanchez Pimienta, Daneil Diaz, e Célio Sousa.

Passagem do pelotão

Pelotão

Cauda do pelotão

Ciclista + atrasado

Viaturas de apoio

Viaturas de apoio

O italiano Francesco Gavazzi (Lampre-ISD) acabou por ganhar hoje a sexta e mais longa etapa da Volta a Portugal, que ligou Aveiro a Castelo Branco ao longo de 215,9 quilómetros. Sérgio Ribeiro (Barbot-Efapel), segundo no sprint final, manteve a camisola amarela.

“Foi um dia muito quente e uma etapa muito extensa. Depois de duas vezes segundo diante do Sérgio Ribeiro, estou muito feliz por ter, finalmente, conseguido batê-lo”, confessou o vencedor da tirada.

A história da etapa começou a escrever-se ao quilómetro 32,5. Depois de várias tentativas de fuga infrutíferas, seis homens conseguiram distanciar-se do pelotão. Célio Sousa (Onda-Boavista), António Carvalho (Selecção Nacional/Liberty Seguros), Davide Ricci Bitti (Farnese Vini/Neri Sottoli), Julien Sánchez Pimienta (Caja Rural), José Cano (Andalucía-CajaGranada) e Daneil Diaz (La Pomme Marseille) iniciaram aí a “cavalgada” do dia.

A 80 quilómetros da meta, Célio Sousa isolou-se dos restantes escapados. Não chegou a ter mais de minuto e meio sobre os perseguidores, mas a vantagem sobre o pelotão passou os sete minutos. No entanto, a cerca de 45 quilómetros da chegada, o Tavira-Prio, devido à luta pela classificação colectiva, e a Lampre-ISD, interessada numa chegada em pelotão que já parecia impossível, aceleraram na cabeça do pelotão e condenaram a fuga ao insucesso.

Os fugitivos foram sendo absorvidos, aos poucos, nos derradeiros 25 quilómetros, ficando o pelotão compacto a 13 quilómetros da meta. A partir daí ainda surgiram algumas tentativas de fuga e até uma queda que atirou para fora da corrida Alejandro Marque (Onda-Boavista). Nada conseguiu impedir uma chegada ao sprint, embora o pelotão principal fosse reduzido, em função das dificuldades sentidas por muitos elementos da caravana para seguirem no ritmo dos melhores.

Sérgio Ribeiro fechou o dia com 14 segundos de vantagem sobre o segundo, Hernâni Broco (LA-Antarte-Rota dos Móveis), e 28 segundos sobre o terceiro, André Cardoso (Tavira-Prio).

“Hoje o objectivo da equipa era manter a camisola amarela. Depois de o pelotão estar compacto, vencer a etapa também passou a ser um objectivo, mas foi impossível bater Francesco Gavazzi. Amanhã dificilmente manterei a camisola amarela, mas vou dar o máximo”, prometeu Sérgio Ribeiro, que é também o líder por pontos.

As lideranças permaneceram hoje em posse dos mesmos donos. O Tavira-Prio manda na tabela colectiva, Fabricio Ferrari (Caja Rural) é o melhor trepador e Bravo Garikoitz (Caja Rural) segue na frente da juventude.

Amanhã corre-se a sétima etapa, o duro contra-relógio de 35,3 quilómetros que vai ligar Sabugal à Guarda.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: