A Resina do pinheiro bravo, Lembram-se da extracção?


A produção de resina teve um papel importante na economia da nossa região, particularmente no aspecto de prover trabalhos rurais. Embora a colheita de resina ainda hoje continue com menor incidência, atingiu o ponto máximo entre 1920 e 1970. É difícil obter uma ideia da indústria que existia antes de 1920 mas sabemos que o maior aumento de produção de resina aconteceu aquando da criação do Pinhal Interior Norte. Esta área florestada foi sistematicamente plantada com pinheiros-bravos (Pinus pinaster) entre 1900 e 1950.

A resina do pinheiro é um líquido viscoso que é excretado pelo pinheiro para selar e proteger qualquer ferida no pinheiro. É de uma cor amarelo acastanhado e no contacto com o ar torna-se duro e forma uma crosta quebradiça e pegajosa. Resina fossilizada é conhecida como âmbar e é considerada uma pedra semi-preciosa.

A resina é principalmente utilizada para a produção de aguarrás e pês. A aguarrás é utilizada para diluir e dissolver tintas e vernizes, em graxa de sapato e lacre. É também juntada a muitos produtos de limpeza devido as suas propriedades anti-sépticas e o seu perfume a pinheiro. O pês é utilizado em cola de papel e na fabricação de sabão, vernizes e tintas e talvez a utilização mais conhecida seja para os arcos de instrumentos musicais de corda como o violino. A vulgar resina de pinheiro era no passado utilizada nas embarcações de vela para as impermeabilizar. Também tem propriedades medicinais: sabe-se que é anti -patogénica (isto é a função principal para o pinheiro) e foi durante anos utilizada para esfoladelas e feridas, como tratamento contra piolhos, misturada com gordura animal para massajar no peito, ou para inalar contra doenças nasais e de garganta. No passado era aplicada em cubos de açúcar ou em mel como tratamento contra parasitas intestinais e remédio geral para tudo. É também um estimulante, um diurético, um adstringente e um anti-espasmódico. (Porém deve-se tomar em conta que o seu vapor pode queimar a pele e os olhos, prejudicar os pulmões e o sistema nervoso central quando inalada e causa insuficiências renais quando ingerida).

Um pinheiro de tamanho médio pode produzir 3-4kg de resina por ano. Os pinheiros produzem a melhor qualidade de resina quando estão em crescimento, por isso, o volume da colheita desce entre Abril e Setembro. Lembro-me quando na minha infância havia um resineiro do Olho Marinho que ainda hoje é vivo, que removia uma parte da casca na base do pinheiro, colocava peças de metal no pinheiro para direccionar o fluxo da resina para os recipientes de barro ou plástico. Depois apanhava a resina do recipiente e também do corte no pinheiro. Após remover a resina parcialmente cristalizada, a área era coberta com uma solução de ácido que estimula mais fluxo de resina. Em cada ano era feito um corte mais acima no tronco do pinheiro. Quando o corte subia para além do alcance do resineiro, este começava do lado oposto do pinheiro. Com o tempo, a casca ia crescendo sobre o corte original. A resina era armazenada em velhos barris de óleo armazenados nas fábricas de resina.

Em tempos houve pelo menos quatro fábricas de destilação de resina no concelho de Góis. Hoje só resta uma, na Chã de Alvares. A resina chega em barris de óleo que têm um buraco cortado de lado. O buraco é aberto e a resina é deitada por dentro da ‘barca’ (grande depósito de resina). O próximo processo é o aquecimento da resina até ao estado líquido e a filtração de todas as partículas de impureza do material. Antigamente, a resina era aquecida através de um fogo aberto, numa grande caldeira selada com uma serpentina de condensação, muito parecido com um alambique de aguardente. A aguarrás condensa, deixando o pês líquido no fundo da caldeira de destilação. O pês produzido desta forma tem uma cor vermelho acastanhado. Modernas técnicas de destilação utilizam vapor e produzem um pês de uma qualidade muito superior de cor amarelo dourado. Após a separação da aguarrás e do pês, o pês líquido é deitado em tabuleiros metálicos para arrefecer e endurecer. Quando está duro, é manualmente partido com um bastão de madeira em peças pequenas, que a seguir são ensacados e estão agora prontas para a distribuição.

Hoje ainda existem muitos velhos pinheiros na região que ainda são sangrados para obter a resina, ou pinheiros que demonstram as cicatrizes de décadas de sangria. Por toda a parte ainda é possível encontrar os recipientes de barro que antes se utilizavam para a colheita da resina, até mesmo nas florestas que já não são de pinheiros. Nalgumas áreas, a colheita de resina era o rendimento principal e muitas vezes coexistia com a produção de carvão e as colmeias. É um facto que florestas com activa produção de resina têm uma menor incidência de fogos florestais, provavelmente porque a comunidade está mais próxima e envolvida neste assunto e tem um interesse muito alto na preservação dos seus pinheiros. A resina proveniente de Portugal e outros países mediterrâneos é considerada ser de uma qualidade de topo, mas por causa dos custos de mão-de-obra, a produção mudou-se durante as últimas décadas para países em vias de desenvolvimento.

http://fotos.sapo.pt/5TtAQVEH2thR2SstIzup/340x255

Anúncios

Uma resposta

  1. estou a pensar em avançar na exploração de resina na qual trabalhei 8 anos na década de 70 depois vieram os incêndios e tive que abandonar, e o que me leva novamente a avançar e a maneira como o nosso pinheiro esta a ser tratado e o corte radical porque dizem que o NEMATEDO desaparece tudo sim se os proprietários quiserem porque não fazem as coisas como devem

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: