Em Coimbra, procissão da Rainha Santa de regresso ao Convento


Milhares de fiéis acompanharam a Rainha Santa

A Imagem da padroeira voltou, ontem, ao Convento de Santa Clara-a-Nova. Aplausos agradecidos e as pétalas lançadas marcaram o percurso.

Estive por largos minutos na Rua da Sofia, até me integrar na procissão, quando o andor que transportava a imagem da Rainha Santa Isabel, desceu da igreja para a rua marcava o relógio 18H05, eram milhares os que integraram o “cortejo” e outros tantos a assistir.

Assim que se começou a ouvir o som do metal que protege o fundo das varas que ajudam os homens a apoiar o andor que pesa cerca de 1 (uma) tonelada, quando este pára e enquanto caminham, a bater no chão, algumas pessoas não contiveram as lágrimas.

O som compassado começava a despertar a curiosidade das milhares de pessoas(fiéis), a fixarem os olhos no fundo da rua para localizar o andor que transportava a imagem.

Depois dos aplausos, do lançamento de pétalas de rosas e dos sinos a tocar a rebate a Rainha Santa estava em marcha rumo ao convento, local de onde, de dois em dois anos, sai durante quase três dias para se “mostrar”na Igreja da Graça.

Foi impressionante os milhares de pessoas que ocupavam todas as sombras possíveis e impossíveis as quais foram esgotadas cedo, com os bancos de fácil montagem e transporte a marcarem o lugar, aqueles mais esquecidos para reparar o deslize tinham que pagar por dois cinco euros.

Com os escuteiros a organizar bem as filas, uma de cada lado da rua, a procissão seguiu num bom ritmo, com a GNR montada a cavalo, com a confraria da Rainha Santa ocupando os primeiros lugares, quando de repente e espanto meu vejo também a Filarmónica Fraternidade Poiarense (aqui do nosso Concelho), a confraria de São Sebastião, a de Santa Joana Princesa, a de Beata Teresa de Lorvão e a de Santa Mafalda bem como a de Nossa Senhora da Boa Morte e a do Senhor dos Passos, docentes e estudantes universitários também tiveram lugar na procissão, lá mais atrás vinha sob o páleo, o bispo D. Albino Cleto.

Quando chegou a meio da Ponte de Santa Clara, um helicóptero lançou pétalas de rosas sobre a imagem ao som de aplausos agradecidos, num momento que marcou o percurso.

Viam-se pessoas descalças, de joelhos, outras com velas na mão, isto tudo promessas, viam-se câmaras de vídeo, máquinas fotográficas, telemóveis a registarem o momento para mais tarde recordar.

O andor todo enfeitado por cravos brancos e rosas, isto por alusão ao fenómeno que tornou a Rainha Santa muito célebre, o chamado milagre das rosas-amarelas, o andor passou por janelas e varandas enfeitadas com as tradicionais colchas com imagens em miniatura da Rainha Santa.

A procissão terminou já perto do anoitecer, junto ao convento onde milhares de pessoas esperavam o andor além das que seguiam na procissão.

Foi uma experiência única ter participado na procissão…com esta grandeza.

Uma resposta

  1. Concordo, foi dos melhores anos de sempre destas bi-décadas de procissões.

    Estiveram, no geral, todos impecaveis.

    Abraço

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: